Curta a nossa página
 
22/06 16h14 2021 Você está aqui: Home / Cocal de Telha Da Redação/Cocal de Telha Imprimir postagem

Cocal de Telha

Da Redação/Cocal de Telha

campomaioremfoco@hotmail.com

Você está aqui: Home / Da Redação/Cocal de Telha - com Cocal de Telha

MP investiga 'Profeta' que estaria com 23 crianças em estado de escravidão em Cocal de Telha (PI)

Denúncias apontam que crianças vivem em situação precária dentro de um terreno de propriedade do 'Profeta', preso por suspeita de estelionato após anunciar o fim do mundo em 2012.

O Ministério Público do Piauí (MP-PI) instaurou, no último dia 3 de junho, um procedimento administrativo para apurar novas denúncias contra Luís Pereira dos Santos, de 52 anos, o “Profeta” que apontou o fim do mundo em 2012. Na época, o homem morava em Teresina. O caso gerou grande repercussão.

Dentre as novas denúncias que pesam contra o "profeta", uma aponta que ele estaria mantendo 23 crianças em regime de escravidão e situação precária,  em uma localidade criada por ele, chama “Terra Prometida”, na região da localidade Pau D’arco, zona rural de Cocal de Telha.

Para a abertura do procedimento, o MP-PI, considerou as denúncias feitas ao Conselho Tutelar do município de Cocal de Telha, que além de manter crianças em situação precária, diz que o "profeta", determina com quem as pessoas que moram no local podem ou não se casar. E ainda que, as mães não podem escolher os nomes dos filhos e que as pessoas vivem sob constante ameaça e em estado de escravidão.

Uma ex-moradora da “Terra Prometida”, Cléudia Ribeiro, é uma das pessoas que acusam Luís de praticar os possíveis crimes apontados. “A minha experiência não foi tão agradável, eu estava lá por nove anos, porque acreditava que estava no caminho certo, no caminho de Deus. Eu achava estranho porque nós não podíamos visitar a nossa família, só quando ele (profeta), deixava”, disse a mulher.

Segundo Cléudia, Luís “usa as pessoas para trabalhar para ele, ele não assina carteira. Não temos direito a nada. Meu marido trabalhava para ele, saiu com uma mão na frente e outra atrás.

O Ministério Público estadual expediu ofício à Polícia Civil em Capitão de Campos, responsável pela região, para que informasse sobre a apuração de crimes na "Terra Prometida", a delegada Kamila Martins afirmou que não há investigação em andamento.

"Recebemos um relatório do Conselho Tutelar de Cocal de Telha sobre os fatos envolvendo, mas pelo que foi obtido de informação, inclusive mediante ordem de missão expedida aos agentes de polícia de Capitão de Campos, para averiguar a situação, não foi verificado delitos, até então", disse.

“TERRA PROMETIDA”

O Em Foco esteve na comunidade “Terra Prometida”, para falar com Luís Pereira dos Santos, o “profeta”.

Luís relatou que na comunidade moram cerca de 80 pessoas, 40 são crianças, incluindo adolescentes. O “profeta”, disse que não escolhe os nomes das crianças que moram no local. “As pessoas que moram aqui, colocaram os nomes de seus filhos, e colocaram o Luís no final, em minha homenagem. Eu nem sabia”, disse Luís.

Quando perguntado sobre o trabalho de crianças, Luís disse que em “hipótese algumas elas participam, nem mesmo os adolescentes”, disse que o local conta com pessoas que são pagas para fazer os trabalhos.

O terreno onde foi fundada a comunidade foi comprado há 01 ano. A estrutura física com casas, existe há 06 meses, de acordo com Luís.

Em ralação a denúncia que decidia quem poderia ao não se casar, Luís disse que as pessoas devem provar que ele fazia tal ato. Mas disse que concedia benção aos casais da comunidade. “Eu não casava as pessoas porque não tenho autoridade de casar. Todos aqui são casados diante de juiz”, disse.

Luís disse que é um homem muito perseguido. Que as novas denuncias são feitas por pessoas que estiveram com ele por muito tempo, e que deixaram a comunidade, por não querer seguir as regras. O homem também disse que a “Terra Prometida”, está aberta para que as autoridades possam fazer qualquer investigação.

PRÁTICA DE CRIME

A delegada de Capitão de Campo informou que o MP foi comunicado e que deve verificar a situação cível da "comunidade" que está sendo criada por Luís dos Santos. "Se tem validade jurídica, etc..., mas na seara penal, não há prática de crime ou investigação em andamento. O que há é apenas um acompanhamento do caso, em razão do histórico dele", pontuou

O Conselho Tutelar de Cocal de Telha, comunicou ao MP que iria realizar um estudo mais detalhado sobre o caso com o auxílio direto da Assistência Social do município, para averiguar a condição das famílias que residem na comunidade. O órgão solicitou que, assim que concluído, o estudo deve ser enviado para a promotoria.

Ao abrir o procedimento, o MP citou que Luís dos Santos chegou a ser preso, em Teresina, no ano de 2012, suspeito de ter envenenado e causado a morte de duas pessoas com “sangue de rato”, afirmando que seria um óleo para purificação.

O MP fixou o prazo de um ano para conclusão do procedimento, podendo ser prorrogado pelo mesmo período.

 


  Tags:

sem tags

Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.